Esta área é reservada para o internauta mandar a sua experiência com fenômenos parapsicológicos. Nossa equipe seleciona, analisa o caso e esclarece as dúvidas.

O fenômeno de exteriorização e transformação da energia corporal (telergia) produzindo calor até arder, chama-se pirogênese, em Parapsicologia. Do grego pirós = fogo, gênesis = produção.

Todos os fenômenos parapsicológicos de efeitos físicos são realizados sempre a menos de 50 metros de distância de uma pessoa viva. A mais de 50 metros aposentam-se todos os espíritos dos mortos, demônios, exus etc. Nada a ver com eles. É fenômeno humano. É sintoma de um problema psicológico, geralmente inconsciente (psicorragia, por analogia com hemorragia).

Às vezes, para o observador não especialista pode ser difícil desvendar os motivos expressos pelo inconsciente.

Dona F.P.P., 30 anos, sofria porque o esposo “estava trocando-a pelos negócios. Ao menos deveria voltar para casa nos fins de semana”. Aquela noite, sexta-feira, começava mais um fim de semana, e o marido ausente…

Dona F. é perfeccionista. Sua casa parece uma tacinha de prata: sempre tinindo de limpa, tudo bem arrumado. Precisamente por isso sofria, porque seu único filhinho, então de 3 anos, ainda continuava molhando a cama. E o cheiro… Naquela sexta-feira, já de manhã, dona F. estava uma pilha de nervos.

A empregada pusera o colchão do menino no quintal, ao sol. Dona F. foi fazer o almoço. Fogo, óleo… “Bem que Fulvinho mereceria uma palmada no bumbum”.

Quando a empregada foi revirar o colchão, deu um grito, apavorada. Acudiu dona F. O colchão estava manchado de óleo, houve fogo no centro, onde deveria estar a mancha provocada pela enurese de Fulvinho. E o fogo deixara perfeitamente marcada a palma da mão, exatamente a forma e as medidas da mão de dona F. Colocou a mão na marca. Não manifestou medo nenhum, contrastando com o pânico da empregada.

O muro era altíssimo, ninguém poderia ter entrado e muito menos sem ser visto, porque as duas mulheres estavam na cozinha: a porta aberta e a janela dão ao pequeno quintal. As duas mulheres, diríamos, que se vigiavam mutuamente…

Logo visitas, amigos, vizinhos, curiosos: “Foi um espírito!” “É alma penada!” A empregada identificou: “É fulano de tal, que jurou acabar comigo com macumbarias”.

Alguém acudiu ao Instituto. E o Instituto enviou uma pesquisadora para comprovar os fatos e transmitir a explicação.

Dona F., sozinha, não compreenderia nem aceitaria nunca suas próprias ações inconscientes: irritação, como o fogo que acabava de acender. Mas não pode bater no marido. E Fulvinho? O óleo que estava usando também cheirava, mas o cheiro logo desaparecia ao fogo; por que não sumia o cheiro do colchão? Conscientemente não podia admitir o desejo de descarregar toda sua irritação com uma palmada no bumbum da criança; nunca!

E o inconsciente exteriorizou tudo: fogo, óleo e palmada… no colchão!

Conserva-se este colchão no museu do IPQP.

Por Luiz Roberto Turatti, aluno do IPQ

mande seu caso para o e-mail contato@institutopadrequevedo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *