Num artigo anterior havíamos distinguido quatro hipóteses teóricas de influênciaParapsicológica no campo de Psicohigiene (Curandeirismo). Corresponde agora abordar a Terceira Hipótese.

Influxo direto do próprio doente sobre o próprio organismo ou doença, sendo o curandeiro mera sugestão em presença, ou sugestão telepática em ausência, ou mera imaginação do doente.

Escola Norte-americana

Comecemos insistindo contra o erro dos parapsicólogosdesta escola, que chamamos Micro-Parapsicologia (sabem muito pouco, e o pouco que sabem o misturam com muitos erros) a faculdade parapsicológica de efeitos físicos seria ela mesma de natureza PN (Para-Normal, extra-sensorial, espiritual), conhecida pelo nome de faculdade PK (Psi-Kappa). Sendo espiritual, poderia atuar a qualquer distância, através de quaisquer obstáculos, no passado e no futuro…

Micro-Parpsicologia, como na era paleolítica e muitos supersticiosos hoje, atribui ao curandeiro (como ao feiticeiro etc.) essa inexistente faculdade de influir à distância. O feiticeiro ou curandeiro… possuiria poderes mágicos, emitiria forças misteriosas (PK) capazes de atuar sobre objetos físicos distantes! (por exemplo sobre o corpo do doente ou sobre os seus elementos patógenos).

simpatias01

Entre os índios primitivos, como no Espiritismo afro-brasileiro, o pajé, como o babalorixá-curandeiro, pensa que “impregnando” no círculo mágico os chifres de um touro sacrificado, consegue destruir todos os males de determinado doente

Defensores de prestígio

Entre os defensores desse erro devemos destacar alguns autores, célebres por outros motivos, mas sem conhecimento algum de Parapsicologia. Na sua“HistóriaNatural”, Plínio, pelo ano 77 a.C., dizia que a magia, má na sua intenção, poderia apresentar, excepcionalmente, outra face “curativa”. Segundo Plínio, a magia poderia atuar fisicamente à distância. Entre os que a empregavam para “curas” à distância, cita a Pirro.

Avicena, famoso médico e naturalista do século X, é citado por São Tomás de Aquino no século XIII como atribuindo a certos homens o poder espiritual (PN, Paranormal) de “cura” à distância: “Se a alma (…) não está sujeita a paixões do corpo e tem forte poder de sugestão, não só pelo próprio corpo será obedecida, mas também pelos corpos de outras pessoas (distantes)curando as doenças” (É a Segunda Hipótese de “cura” parapsicológica, hipótese já refutada no artigo anterior). São Tomás de Aquino discordou de Avicena em atribuir o fenômeno à purezada alma, pois a conceituação moral, em si, não influi na natureza, como é evidente. Mas aceitava um poder anímico de efeito físico para “curar” à distância. Ação física à distância por uma força espiritual: Idêntica à inexistente chamadaPK.

(Insisto: nem Avicena nem São Tomás de Aquino pensaram em atribuir o fato à adivinhação, pelo paciente, dos bons desejos do “curador” e que por esta adivinhação haveria um real incentivo ou real estímulo, seria o curandeiro catalisador para que agisse o próprio paciente no próprio organismo. Isto é a quarta hipótese que teremos que estudar no tema da Psicohigiene).

Na Assembléia de Montpellier

Em 1643, e por motivos políticos, foi pronunciado um longo discurso (umas 25 mil palavras)que exerceu muita influência durante muitos anos. O desterrado político, ex-chanceler inglês, Kenelm Digby, em discurso proferido em sessão solene na assembléia de Montpellier, apresentava os ensinamentos “terapêuticos”, que teria aprendido de um velho monge carmelita residente em Florença que, por sua vez, o aprendera quando missionário na Índia.

No discurso se revelava o segredo até então zelosamente guardado. Digby antes só o revelara ao rei. Após o discurso, porém, o segredo se revelaria num livro para a lucrativa venda massiva (já então havia técnicas em truques publicitários!).

Segundo Digby , o “Poder das Simpatias” pode “curar” à distância, mesmo sem conhecimento do paciente.

Ele destaca que não se trata de magia diabólica ou espírita nem nada semelhante, nem do poder de sugestão como as chamadas “curas pela fé” das seitas de curandeiros já existentes na época.

simpatias02

Acreditam que impregnando de sangue a estatueta do exu, este burlar-se-á (língua) de todos os inimigos e manterá vivo (coração)o cliente que tanto pagou…

As crendices de Digby. Tratar-se-ia do poder curativo do universo, captado e armazenado pelo sulfato de ferro ou de cobre (vitríolo) em determinadas circunstâncias. Este sulfato era o “pó de simpatia”. Tal força “curativa” do “pó de simpatia” transferiria do objeto ao paciente inclusive ausente misteriosas ações dos raios solares aliados às partículas viscosas dos quatro elementos materiais, junto ainda com a emanação impalpável de aromas diversos e sutis… (!?).

Na realidade, Digby fez-se eco da antiquíssima crendice dos egípcios (ainda persistente nos espíritas, teósofos, ocultistas…), na “cura” por simpatia ou representação.Acreditavam que a roupa íntima ou objetos usados se impregnavam pelo “Ka” (depois chamado “força vital”,“duplo etérico”“magnetismoanimal”“periespírito” e tantos outros nomes designando tal disparate). Encontrando-se dificuldades em pegar alguma prenda íntima ou algum cabelo, unha, etc., também desde época imemorial passou-se a empregar a representação da pessoa em questão com uma estatueta de cera, boneca de trapo, etc. Nela,magicamente, também residiria o “Ka” (o “duplo”, etc.).

Pois bem, toda ação para o mal ou para o bem que se exerce-se sobre o objeto ou representação, repercutiria à distância sobre a pessoa representada ou o dono desses objetos.

No século XVI, o “poder de simpatia” encontrara , em Paracelso (1493-1541) um defensor de prestígio. Posteriormente Sir Kenelm Digby (1603-1665), o célebre político e escritor místico (?) católico e o velho monge carmelita que o convenceu, só seguem as teorias de Paracelso.

Essas teorias, porém, não é preciso frisá-lo, estão cheias de muitas outras superstições tradicionais. Por outra parte, aceitar “emanações impalpáveis de aromas”, “essências”, “partículas” que, apesar de “úmidas e viscosas”, são tão sutis que podem “transferir-se de objeto ao paciente” à distânciaé demais. Simplesmente contraditório!

simpatias03

Segundo a superstição, toda a sexualidade e paixão impregna a galinha sacrificada que, deixada ocultamente perto do pretendido pela consulente, a transmitirá a ele

Mas a teoria “terapêutica” (?) de Digby e suas “explicações” (?), no começo só toleradas, chegaram a ser preferidas aos métodos “menos modernos” (?) da Medicina. Digby encontrou defensores entre tantos desorientados “filósofos” naturalistas do século XVII. Inclusive alguns médicos se ergueram em paladinos dos encômios à “incomparável descoberta” (?).

“Sarou” dagangrena.- Com esse método, e segundo Digby, um ilustre senhor chamadoJames Howell , haveria sido “curado” das feridas recebidas quando tentava separar dois amigos, que se batiam em duelo. Dois cirurgiões haveriam realizado mal (?) o seu trabalho, pelo que foi solicitada a intervenção de Digby para deter a gangrena de uma mão.Digby nem sequer examinou o paciente. Pediu um objeto que se tivesse impregnado do sangue de James Howell. Recebeu uma liga de meia (jarreteira, com a qual lhe haviam feito um curativo de urgência no local do duelo). Digby mergulhou a liga numa vasilha de água onde previamente depositou o seu misterioso “pó de simpatia”: Howell percebe uma sensação agradável na mão doente e não sente mais dor. Uma hora depois Digby retira da água a liga de meia e a traz perto do fogo: Howell sente um calor abrasador, como se colocasse a mão sobre brasas. Digby mete de novo na água “curadora” a liga de meia, e Howell se sente aliviado. “Ao fim de cinco a seis dias as feridas estavam completamente curadas e cicatrizadas” (?).Digby assegura que foi devido ao “poder de simpatia” (no sentido etimológico do termo: sentir conjuntamente) entre Howell e a liga de meia.

Comprovação real. O rei Jacques haveria comprovado pessoalmente o “poder da simpatia”: Havendo ouvido falar do prodígio, o rei foi visitar Digby, acompanhado pelo duque de Buckingham. Howell estava ausente, na sua casa. Digby colocou na água a liga, previamente impregnada com o “pó de simpatia”, e colocou tudo junto ao fogo. Pouco tempo depois, chegou o lacaio de Howell correndo para comunicar que subitamente tinham voltado as dores ao seu senhor, que se queixava de um calor insuportável no antigo ferimento. Digby mandou dizer que seria aliviado imediatamente. Bastou retirar a liga de junto do fogo…

simpatias04

É truque tão freqüente como fácil. Após simular total paralisia, levanta o pastor curandeiro que o pagou. E o numeroso público se sugestiona

Pingos nos is. Suponhamos que o fato não esteja colorido, o que em certos aspectos e analisadas todas as circunstâncias é muito supor: o truque é facílimo, e mais sendo tudo arquitetado pelo próprio curandeiro para sua própria propaganda; é contado sem verificação nem testemunho de especialistas, etc.

Mas suponhamos… Em si, o fenômeno, isto é, o efeito(não a absurda explicação da “simpatia”) é possível. Em primeiro lugar, contra as propaladas forças curativas à distância do “pó da simpatia”, tenhamos em conta que, na realidade, neste caso não houve tal distância. Digby e Howell estavam na mesma habitação. Com esta observação, a sensação agradável, o calor, a “cura” não passam de efeitos perfeitamente explicáveis pela mais comum das sugestões, indireta, mas incutida em presença.Repetimos: os efeitos são possíveis. Parapsicológicos, certamente, e portanto esporádicos.

Digby obteve êxito com uma pessoa especial. Mas certamente que não foram muitos os seus êxitos com quaisquer outras pessoas.

Recolhendo, porém, de um lugar e de outro, antigos e modernos, poderíamos citar inúmeros casos idênticos ou muito parecidos, com “pós de simpatia”, com objetos “impregnados”, com estatuetas, com papéis contendo o nome, com fotografias, com sapos… Com mil técnicas “a gosto do consumidor”.

Como se explica o fenômeno? Comecemos por prescindir dos objetos. Analisemos os próprios efeitos, limpos, sem pós nem mandingas. Analisar o fenômeno limpo já é um grande passo para compreender a sua explicação. Um exemplo moderno:

simpatias05

Entre tantíssimas superstições de curandeirismo, mais uma técnica “a gosto do consumidor”

“Transferência” de sensibilidade. A Sra. J. B. era esposa de um destacado advogado de New York. Tinha cerca de quarenta anos, era bondosa, amável e complacente. Havia desenvolvido uma harmonia de solidariedade afetiva com seu marido, até o ponto de ter consciência de muitas das emoções mais fortes do esposo, mesmo quando este se achava a quilômetros de distância.

Numa ocasião, os membros da “Sociedade de Pesquisas Psíquicas” (SPR) de New York se achavam na casa dessa senhora preparando experiências. A Sra. J. B. encontrava-se numa ampla sala de recepção entre as senhoras do Instituto, conversando animadamente, enquanto três ou quatro homens se achavam em companhia do senhor João B., o esposo, numa varanda, fumando, aguardando a hora de começar a reunião.

Sem qualquer aviso, um dos pesquisadores subitamente e com certa violência bateu com um espeto no braço do senhor João B. , como se fosse um acidente. O Sr. João deu um salto enquanto no rosto aparecia uma expressão de dor, mas não gritou. Menos do que uma fração de segundo depois, ouviu-se um forte grito. Era a Sra. J. B. , que se achava a uns 25 metros de distância do marido, separada dele por várias salas cheias de pessoas que conversavam e caminhavam.

Quando se ouviu o grito da Sra. J. B. , todos correram para lá. As primeiras palavras da senhora foram: “ João deve ter sentido algum golpe doloroso em seu braço, precisamente aqui; eu o senti. Desejo ver o que lhe aconteceu”.

Não há ação à distância” 

É evidente que o espeto não feriu diretamente o braço da Sra. J. B., como se a sensibilidade dele se exteriorizasse até o braço da esposa ou vice-versa. Alguns antigos metapsíquicos acreditavam na Exteriorização da Sensibilidade, mesmo a quilômetros de distância!

São muitas as experiências que pareceriam comprovar (?) a inexistente

simpatias06

Não é o copo que absorve a doença. Não é o lenço que protege de todo mal. Como dizia Roger Bacon: Esses “remédios em si mesmo nada valem”, tudo depende da “sugestão suplente”. A chamada em Parapsicologia “Harmonia de Solidariedade Afetiva”

“Exteriorização da Sensibilidade” a qualquer distância, através de qualquer obstáculo, inclusive para o passado e para o futuro. Mas, por exemplo o grande parapsicólogo russo, Dr. Vassiliev ( Léonid Léonidovth Vasiliew, 1889-1964), diretor do Instituto de Parapsicologia na Universidade de Leningrado, com observações e experiências desse tipo, acabou por compreender, como é evidente, que trata-se de captação telepática por parte do receptor.

E, mais uma vez, contra a afirmação absurda da Micro-Parapsicologia ou Escola Norte-Americana: não existe PK.

É preferível com outra pessoaDamos importância a casos como o da Sra. J. B., sem objetos “impregnados” nem eqüivalentes, porque tais casos são muito elucidativos para a compreensão do curandeirismo à distância. Os objetos “impregnados” são completamente dispensáveis: eles não têm força “mágica”, eles não desempenham por si mesmos tarefa nenhuma na “cura”. O curandeiro e o “curado”, que neles acreditam, têm neles simplesmente o suporte material para sua superstição, crendice irreal, fantasia infundada.

O “objeto” só poderia ter um papel a desempenhar quando é constituído por outra pessoa. Para a “cura” nada valem em si mesmos o animal, a planta, a substância empregada na “simpatia” (ou no “transplante”, ou “impregnação”, ou “descarga” etc.)

Mas outra pessoa em tais funções alguma vez poderia ter algum valor para essas “curas”. Já o descobrira há muito tempo o chamado “Doutor Admirável”, o frade franciscano Roger Bacon (1214-1294), pai do método experimental em ciência. Bacon, além de ser o primeiro a propor métodos experimentais para verificar fenômenos que hoje chamamos parapsicológicos (vários esboços destes experimentos aparecem em diversos lugares do seu “ Sylva Sylvarum”), verificou a “cura” por “sugestão suplente”. O termo é do próprio Bacon.

Escreve no livro citado: “Querendo curar por meio da esperança a um cavalheiro doente (de doença influenciável psiquicamente), procure-se um dos seus criados que seja de natureza crédula. Quando o cavalheiro estiver dormindo, faz-se beber ao criado alguma cocção inócua (um placebo ), e diga-se-lhe que com isso seu amo sarará em certo espaço de tempo. A imaginação do criado se tornará favorável pela sua completa fé em vossos poderes curativos. Aceitará a imagem da cura com grande força. Este convencimento se exteriorizará e influirá no mesmo sentido na imaginação do seu amo, também em estado de receptibilidade por estar dormindo”.

simpatias07

No tema da “impregnação”, já Homero descreveu pateticamente que para aplacar Artemisa, deusa das doenças, o rei Agamenón, de Troya, concordou em sacrificar sua filha Efigênia. Na feitiçaria e curandeirismo, sacrificar pessoas é mais freqüente do que parece…

A frase é de uma riqueza extraordinária de conceitos. Traduzindo expressões da época a termos modernos: O consciente é menos crédulo e menos influenciável. Facilita-se essa comunicação pela inconsciência do amo:“estado de receptividade por estar dormindo”. É escolhido um criado ignorante, supersticioso, nada crítico, crédulo, até o extremo de ficar firmemente convencido de que ele bebendo, infalivelmente beneficiará a seu amo. Porque Há uma ligação afetiva profunda entre o criado e seu amo (naquela época de fato era muito

freqüente que os criados considerassem a seus amos como pais e, se possível até mais, pela total afeição e dependência). É o “rapport”, que facilita a comunicação parapsicológica. Por isso é que tecnicamente é chamada por alguns parapsicólogos: “Harmonia de Solidariedade Afetiva”. No objeto, o percipiente não teria mais do que um suporte subjetivo para a sua superstição. No homem, porem, pode captar a idéia confiante e segura da “cura”. Animado por essa confiança total na “cura”, que ele capta inconscientemente do criado, o próprio psiquismo do amo faz a “cura”.À luz da moderna Parapsicologia, nada se pode acrescentar à breve, mas fecundíssima síntese que há já quatro séculos formulou o filósofo do empirismo, Francis Bacon.

Nenhuma experiência cientificamente válida e nenhum caso, se bem analisado, permite suspeitar a existência no homem, no curandeiro, nos remédios, de um poder de “cura” à distância. À distância, o curandeirismo “parapsicológico” como tal se reduz, pois, ao curandeirismo meramente de aparência parapsicológica.

A paraiatria à distância (no tempo e no espaço), suposta a adivinhação parapsicológica, é unicamentepoder do psiquismo do paciente sobre o próprio organismo.

O fenômeno passaria portanto a enquadrar-se na quarta possibilidade teórica em que dividíamos antes a “cura” parapsicológica. Vamos falar dela no próximo artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *